26.5.06

Underground Gospel FM


Tatuagens: sim ou não?!

Embora a tatuagem tenha sido estigmatizada como um símbolo de marginalidade, muitos cristãos têm marcado seus corpos. Seria esta atitude errada? Qual é a visão do cristianismo sobre o uso de tatuagens?

O que leva uma pessoa a fazer uma tatuagem? A resposta para esta questão é há anos motivo de estudo de psicólogos, sociólogos, psiquiatras e outros profissionais que analisam o comportamento humano.
Em muitos casos a tatuagem funciona como uma marca de identificação, servindo como uma bandeira que simboliza a adesão a um determinado grupo social. Por exemplo, os chamados metaleiros, skin heads, entre outros, têm como marca registrada inúmeras tatuagens espalhadas pelo corpo. A marca também é usada como uma forma de expressar rebeldia e inconformismo e pode servir como um grito de protesto contra o sistema.
A questão é que embora a tatuagem tenha sido estigmatizada como um símbolo de marginalidade; de bandido, drogado, subversivo, há um número cada vez maior de pessoas que estão se tatuando por pura vaidade ou pela admiração a este trabalho, considerado por muitos como uma expressão artística. Contudo, surge no meio cristão a dúvida: é pecado ou não se tatuar? Isso agrada ou não a Deus? O que há por trás de marcas aparentemente inocentes?

A tatuagem sob o ponto de vista cristão

Não há como ignorar que este assunto é um tanto polêmico, pois envolve diversas questões como por exemplo: a intenção do tatuado, o simbolismo da figura escolhida, a visão perante a sociedade, o agir no mundo espiritual, entre outros.
Para refletir sobre o uso dessas marcas, um exemplo notório é o que acontece nos presídios brasileiros, onde a tatugem funciona como um código entre os detentos, e dependendo do desenho, os outros presidiários podem saber se a pessoa é perigosa, digna de confiança ou homossexual, além de indicar que crime cometeu. Na maioria das vezes essas tatuagens são feitas à força, principalmente naqueles que são condenados por estupro, que na cela passam a ser tratados pelos outros como homossexuais de forma passiva. Se o detento possui uma sereia, flores ou borboleta, significa que é homossexual. O desenho de um punhal cravado no cérebro, três sepulturas, a imagem de Nossa Senhora Aparecida e a Cruz do Calvário significam que o preso é confiável, e que não delata um companheiro sob tortura. Há desenhos também que designam os detentos de alta periculosidade, como assaltantes a mão armada e assasssinos. Por exemplo, o desenho de uma cobra tatuada significa que o detento é um homicida.

Justamente pelo número de questões que o tema envolve, esta matéria está sendo baseada na opinião de diversos pastores, de denominações diferentes. Quando perguntados sobre o uso da tatugem, todos foram categóricamente contra.

A bíblia revela que Deus planejou o corpo do homem para ser templo do Espírito Santo (I Co 6:19) e também deu instrução à respeito de como o corpo deve ser usado. Segundo o Pr. Riva Martins (Igreja Batista do Calvário), a bíblia diz em Levítico 19:28, que ninguém deve fazer marca nos seus corpos em homenagem a nada. Nem a mortos, divindades ou qualquer outra coisa. Diante disso é inevitável o questionamento: E as pessoas que desejam se tatuar sem intenção alguma de prestar homenagem a quem quer que seja, apenas por achar bonito?! Para responder a pergunta, o Pr. Jorge Abeche (Igreja Assembléia de Deus Nova Vida) afirma que as coisas no mundo espiritual são diferentes. Segundo ele, o mundo espiritual é envolto de simbolismos, registrados através de pactos, e o inimigo não está interessado se a pessoa tem consciência ou não, ele entra aonde existe brecha, não importando se a pessoa deu ou não permissão. E já que a tatugem sempre esteve envolta em misticismo e idolatria, a pessoa inocentemente acaba marcando o seu corpo e de alguma forma consentindo com todo este histórico da tatuagem. “Há várias figuras que foram consagradas ao inimigo e que podem trazer maldiçào à vida da pessoa. Jesus disse: ‘Eis que estou à, e porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo’ (Apoc. 3:21). Jesus para entrar na vida de alguém, pede permissão, não invade, já o diabo não age assim, se ele encontra brecha, toma posse como se fosse propriedade sua”, ressalta.

Para o Pr. Eduardo Alves (Igreja Brasileira Missionaria), as únicas marcas que os cristãos devem ter são as marcas de Cristo, como relata o apóstolo Paulo na bíblia. O Pr. Leidimar Lopes (Comunidade Nova Alianca) afirma que há muitos jovens cristãos que usam tatuagens, piercings, e suas aparências se confundem com as pessoas do mundo, e que isso mostra que estão simplesmente se acomodando ao sistema deste mundo. “Não devemos imitar o mundo, este sim é que deve nos imitar, complementa o Pr. José Carlos da Silva (Ministério Internacional Resgate). Segundo o Apóstolo Paulo, em II Coríntios 6:03, não se deve dar nenhum motivo de escândalo em coisa alguma, para que o ministerio de cada um não seja censurado. O mesmo é enfatizado em I Coríntios 8:13: “Pelo que, se a comida escandalizar o meu irmão, nunca mais comerei carne para que meu irmão não se escandalize”.

Quanto aos que ja têm suas tatuagens, nem tudo está perdido. Os pastores entrevistados afirmam que há muitos novos convertidos que trazem uma bagagem da vida que tinham no mundo, e que neste caso o fato de ter uma tatuagem não deve ser um empecilho para estar na presença de Deus. Mas há um alerta, segundo o Pr Eduardo Alves: “Quando um tatuado se converte e entende que Jesus é o Senhor, temos que orar e anular no mundo espiritual todo pacto que está oculto nas tatuagens. Assim também a pessoa revela espiritualmente que aquelas marcas nada tem a ver com a nova vida com Jesus”.

História da tatuagem

Não se sabe ao certo quem fez e quando foi feita a 1ª tatuagem no mundo. Pode ser que em algum espaço no tempo alguém teve um ferimento pequeno e neste, por qualquer motivo, foi depositado algum tipo de fuligem e após cicatrizar resultou em uma marca permanente.
Com o passar do tempo a tatuagem passou a ser feita intencionalmente e com objetivos específicos. Ela era praticada entre várias nações antigas, muitas vezes ligada à pratica de idolatria ou a determinados valores simbólicos. O único cadáver com mais de 5 mil anos totalmente preservado, descoberto nos Alpes italianos em 1991, apresentava marcas na pele, que teoricamente seriam tatuagens feitas por motivos religiosos.
Na idade média, a igreja católica, através da Inquisição, baniu a tatuagem da Europa por acreditar que a marca era demoníaca, como sendo moradia de Satanás.

Por Kaísa Abeche

2 Comments:

Blogger joao said...

assim
q D'us Olha com o Olho do Espirito e naum com o do Homem
Certo e pra fala d D'us pra qm é maluco so sendo como ele aew ele vai enteder td
Certo fuii

6:58 PM  
Blogger joao said...

www.igrejapaodoce.kit.net

6:59 PM  

Postar um comentário

<< Home